Quais as reais vantagens e desvantagens do rebaixamento de carros?

26/10/2018

Nos últimos tempos, o rebaixamento de carros tem se tornado algo cada vez mais comum e popular. Os veículos rebaixados apresentam uma série de modificações na suspensão e demandam um trabalho cuidadoso para que tudo seja feito com segurança.

Pensando nisso, preparamos este post com algumas considerações interessantes sobre os carros rebaixados. Nos próximos parágrafos você conhecerá algumas particularidades sobre o processo e quais são suas vantagens e desvantagens. Confira!

Processos de rebaixamento de carro

Há diversos métodos que são usados para rebaixar o veículo. Entre as modalidades mais usadas estão as seguintes:

Abraçadeiras

São colocadas abraçadeiras que “estrangulam” as molas diminuindo seu curso, fazendo com que o veículo fique mais baixo. Vale ressaltar que nesse tipo de modificação não se costuma fazer alterações em outros componentes da suspensão.

Molas esportivas

Esse tipo de mola é desenvolvido especificamente para o rebaixamento de carros sem que, para isso, seja necessário modificar as características nos amortecedores. O automóvel pode ficar de 35 mm a 50 mm mais baixo, dependendo do caso.

Retrabalho de feixe

Essa opção é mais usada nas pickups, e consiste, basicamente, no tratamento térmico das lâminas. A dureza das molas é variável, já que depende de como a têmpera foi aplicada, o tipo de trabalho feito e o número de lâminas.

Ar

Nessa situação de rebaixamento de carros, todo o trabalho é feito por meio de um conjunto extra de ar comprimido. É uma opção muito usada entre donos de veículos rebaixados que gostam de participar de exposições. Além disso, esse método permite que o proprietário deixe o veículo mais alto ou mais baixo.

Suspensão preparada ou fixa

Não há a possibilidade de se fazer determinados ajustes como seria possível com a suspensão a ar ou rosca. Por outro lado, é considerada uma opção muito interessante, já que o kit pode ser preparado e projetado de acordo com as normas em vigor e garantindo a segurança.

Cuidados com o veículo

Seja qual for o método de rebaixamento é fundamental que o carro seja levado com frequência a uma oficina para ser submetido à revisão na suspensão. A dica é procurar por estabelecimentos autorizados e de confiança, uma vez que essa parte do veículo está diretamente relacionada ao fator segurança do automóvel.

Outra orientação interessante é evitar passar com o carro rebaixado “de lado” em quebra-molas. Esse tipo de atitude pode prejudicar a estrutura do veículo, uma vez que o peso fica apoiado em apenas uma roda, afetando toda a suspensão e podendo, inclusive, ocasionar o desalinhamento da carroceria.

Por fim, ao fazer a troca dos amortecedores originais pelos trabalhados, equilibre o curso da peça com o tamanho da mola para obter mais conforto.

Vantagens e desvantagens

Quando o rebaixamento de carros é feito seguindo uma série de observações como a segurança e a qualidade das peças, podemos verificar algumas vantagens interessantes. Por outro lado, sempre há algo que pode entrar na lista das desvantagens. Acompanhe!

Vantagens

  • O rebaixamento de carros contribui para uma maior estabilidade;
  • a estética fica atraente, especialmente por quem ama o estilo;
  • os custos de manutenção não são altos;
  • exclusividade e personalização, uma fez que cada dono pode agregar algo de seu gosto.

Desvantagens

  • Algumas pessoas mudam o motor para obter maior velocidade, entretanto, esse aspecto pode não ser aproveitado se a circulação é feita somente dentro das cidades;
  • o motor dura bem menos e a suspensão pode ter problemas devido as alterações;
  • há os gastos com regulamentação;
  • pode fazer com que o carro perca valor em caso de uma revenda.

Rebaixamento de carros e a legislação

Desde o ano de 2014, os veículos rebaixados são amparados pela legislação desde que obedeçam a uma série de restrições. Segundo a legislação o rebaixamento de carros pode ser feito por meio da suspensão a ar, com rosca, mola preparada e esportiva. O ponto fundamental é que todas elas devem ser instaladas seguindo as determinações do Contran — Conselho Nacional de Trânsito.

Já no que diz respeito ao processo de legalização do carro rebaixado, o primeiro passo é pedir uma Autorização Prévia da Autoridade de Trânsito. Isso pode ser feito junto ao DETRAN ou CIRETRAN de acordo com a região — o importante é não rebaixar antes de ter isso em mãos.

Depois de a alteração ter sido feita será necessário obter o Certificado de Segurança Veicular. O valor para a legalização incluindo os documentos apontados varia de estado. Entretanto, podemos chegar a uma média de R$300,00 — sem contar com os gastos com o mecânico, é claro. De qualquer forma, a dica é guardar um dinheirinho extra para prevenir qualquer tipo de eventualidade.

Carros rebaixados sem autorização

Quem dirige um carro rebaixado sem a autorização do Detran está cometendo uma infração gravíssima resultando em uma perda de cinco pontos na carteira e, além disso, a multa estipulada é de R$293,48. Contudo, a situação pode se tornar ainda mais complicada, uma vez que o automóvel pode, até mesmo, ser apreendido.

Custos para rebaixar o carro

As adaptações visando o rebaixamento de carros podem tem custos variáveis, até mesmo porque tudo dependerá daquilo que o proprietário do veículo idealizou como seu projeto pessoal. Além dos gastos com as peças é preciso considerar os valores relacionados à mão de obra.

Aliás, o responsável pelo serviço deve conhecer muito bem o assunto para que nada seja feito em desacordo com a legislação. Analisar esse ponto pode evitar muitos problemas no futuro!

Seguro para carros rebaixados

Essa é uma dúvida muito comum a respeito de rebaixamento de carro. Até há alguns, era um pouco difícil de encontrar seguros para veículos rebaixados. Porém, como essa prática foi amplamente difundida e cresce a cada ano, acabou por se tornar mais fácil. Geralmente, a seguradora faz uma vistoria e classifica o veículo apontando o que pode ser coberto pelo seguro ou não.

Agora você entende um puco sobre o mundo do rebaixamento de carros, não deixe de compartilhar este post em suas redes sociais e ajudar seus amigos que também estão com dúvidas a respeito do assunto!

 

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *