A depreciação do valor dos carros pela tabela Fipe é justa?

05/09/2018

É sabido que o preço que pagamos por um determinado veículo não será o mesmo pelo qual o venderemos mais tarde, afinal de contas, a depreciação de carro novo acontece mês a mês. Ao final do ano, percebemos que nosso veículo desvalorizou entre 10 a 15%, em um período de apenas doze meses.

Na hora da revenda, costumamos tomar por referência o preço de carros usados apontado na tabela Fipe. Contudo, é importante ter em mente que ao consultar a tabela Fipe, valor apontado não é, necessariamente, o correto.

Isso acontece, pois, a tabela da Fipe se fundamenta em uma média pautada em todas as negociações — ocorridas no mês anterior — envolvendo o veículo em questão, proporcionando um preço base para as negociações do mercado. Grosso modo, a grande maioria dos consumidores — vendendo ou comprando — baseia-se nos valores dessa tabela, julgando ser o preço mais justo e coerente.

No entanto, a estratégia não é das melhores, porque a tabela Fipe oficial desconsidera alguns pontos importantes que influenciam no valor de venda, positiva ou negativamente, como a quilometragem, conservação, entre outros.

Pensando nisso, elaboramos este megapost! Nessa leitura você entenderá sé é justo negociar um carro com base na depreciação de carro calculada pela tabela Fipe, conhecendo os demais critérios que interferem na precificação de um usado.

Para além disso, você terá a oportunidade de conferir os carros que mais desvalorizam, frente aos carros que menos desvalorizam no mercado nacional, uma informação importante e que pode nortear a sua próxima compra ou venda. Se você não sabe o que significa tabela Fipe, acompanhe e entenda melhor o que é tabela Fipe!

O funcionamento da depreciação sobre o valor dos carros

A taxa de depreciação de veículos não é calculada com base em achismos ou ‘olhômetros’. Em realidade, existem diversos critérios que avaliam a porcentagem de desvalorização que um carro poderá sofrer. Dois bastante conhecidos e relevantes, são a situação do carro no mercado e o seu ano.

A exemplo, um modelo que esteja na moda, vendendo superbem, representando o objeto de desejo para muitos consumidores, mesmo sendo caro, tende a sofrer menor desvalorização, vide o Honda HR-V, SUV de desenho arrojado, de uma marca confiável, preço elevado e desvalorização ínfima — 4,5% em 2016.

Além desse exemplo, existem diversos outros fatores com maior e menor protagonismo na desvalorização de um veículo, mas ainda ressaltamos que o trio com maior destaque na depreciação continua sendo a situação de mercado, estado de conservação e a quilometragem do automóvel.

Agora, confira abaixo os principais fatores na composição desse fenômeno de mercado, capaz de desvalorizar o veículo em sua garagem!

Quilometragem

Como citamos acima, a quilometragem continua a ser um dos quesitos mais influentes na desvalorização, pois ela demonstra uma métrica do quanto o carro foi utilizado, denotando o desgaste das peças, como ínfimo ou avançado. Essencialmente, quanto mais rodado o veículo for, mais desvalorizado ele será, pois quanto maior o uso de um veículo, maior a probabilidade de desgaste nos componentes internos.

Isso pode ser fundamentado, inclusive, por uma pesquisa interna da InstaCarro, que conseguiu apontar a probabilidade relativa de haverem problemas no motor em função da idade do veículo. Confira:

Idade do veículo em anos Probabilidade de problemas no motor

1 15%
2 20%
3 25%
4 30%
5 35%
6 40%
7 45%
8 50%

Conservação

Esse é o critério que o antigo proprietário mais teve participação, já que considera o estado de conservação do veículo. No momento da revenda, qualquer detalhe que aponte descuido estético — arranhões, amassados, desbotamentos — ou falhas mecânicas influenciarão negativamente no preço avaliado.

Inclusive, esse é o principal critério desconsiderado pela tabela Fipe de carros, já que quanto mais afetado mecanicamente estiver o automóvel, menor será o seu valor. Para além disso, o estado do carro costuma ser um ponto de polêmica em negociações diretas com lojistas, pois de acordo com os consumidores, as concessionárias inventam problemas no automóvel para depreciar o veículo. Essa prática é repudiada pela InstaCarro, que segue bradando e oferecendo a melhor avaliação de carros usados.

Categoria

O mercado automotivo tem forte vigor passional, tendo suas tendências portanto, ditadas de acordo com as vontades publicitárias, nacional e mundialmente. A “bola da vez” do mercado automotivo são os SUVs, utilitários esportivos, altos, famosos por serem carros grandes, que passam boa sensação de segurança.

Sendo assim, essa categoria tem sido a menos desvalorizada nas análises recentes. Como exemplo, tornamos a destacar o Honda HR-V, que em 2016, foi o menos desvalorizado de todo o mercado automobilístico, com singelos 4,5% de queda. Curiosamente, em segundo lugar, esteve o Jeep Renegade, com apenas 6,4% de desvalorização.

Para além das modas e tendências, as carrocerias tradicionais e populares também sofrem baixa desvalorização, como foi o caso dos hatches de entrada e dos hatches compactos. Também em 2016, o compacto Ônix desvalorizou em 8,3%, enquanto o Up!, de entrada, teve 9,4% de depreciação. Duas das menores quedas em todo o mercado.

Os preços mais baixos e o fato de serem carros extremamente comercializados, garante a esses modelos uma desvalorização mais anestesiada. Isso fica evidente ao compararmos com um veículo de igual carroceria, mas do nicho de veículos de luxo.

A exemplo do bem quisto Mini Cooper, que desvalorizou em pesados 15,5% — ainda sendo o terceiro modelos da categoria, no segmento premium, que menos desvalorizou. Entre os compactos premium, o 500 da Fiat foi o menos depreciado, com 13,4%.

Originalidade

Não importa o quanto você invista em customizações pós-compra, veículos personalizados sempre sofrerão alta rejeição no mercado, seja de seminovos, seja de usados. Portanto, quanto mais original for o veículo, apenas equipado com os itens da montadora, seguindo os parâmetros de autenticidade, melhor será o processo de revenda, e menos sujeito a desvalorização violenta.

Isso tem o valor redobrado para as modificações mecânicas, que depreciam ainda mais o modelo, violando garantias — caso hajam — e demais critérios importantes aos olhos dos potenciais compradores.

Montadora

Sim, a marca importa! Para além das questões de status, as marcas estabelecem relações de confiabilidade com os consumidores de um determinado país, no decorrer do seu histórico de venda e manutenções. Afinal de contas, foi assim que algumas japonesas conseguiram o apreço do consumidor brasileiro, em detrimento de algumas marcas francesas que não tiveram tanta sorte — seja pelo pós-venda falho, modelos que fracassaram mecanicamente, entre outros motivos.

Segundo um levantamento interno exclusivo da InstaCarro, as marcas de revenda mais facilitada são a Honda, Hyundai, Toyota, Chevrolet e Ford. As japonesas e a única sul-coreana — Honda, Toyota e Hyundai respectivamente — estão no imaginário popular brasileiro como símbolos de durabilidade e confiança. As duas americanas — Chevrolet e Ford — vendem modelos robustos e populares, de fácil repasse.

Características

Aqui temos um critério bastante amplo. Por exemplo as cores dos veículos. Quanto mais chamativa e inusitada a cor do seu modelo, maiores as chances de ele ficar estacionado por muito tempo esperando um dono, haja vista a alta rejeição a cores como amarelos, verdes, laranjas, e demais cores que fujam da sobriedade tradicional e popular do preto, branco, cinza e prata.

Além disso, outro fator que pode motivar a desvalorização do seu automóvel são a ausência de equipamentos interessantes à comodidade do consumidor. A exemplo, de nada adianta estar revendendo um veículo popular, de cor sóbria, bem conservado, sem um item fundamental como o ar-condicionado.

Em certas regiões do país, esse acessório é visto mais como uma indispensabilidade do que um opcional, tornando o veículo menos equipado, consequentemente, menos interessante.

Carros que mais desvalorizam versus Carros que menos desvalorizam

Certo, agora você já conhece os principais mecânicos da desvalorização durante a precificação do seu carro. Agora, como em um exercício de contextualização, você terá a oportunidade de ver os veículos que mais e menos desvalorizaram no mercado nacional, identificando sua carroceria, montadora, ano, valor de mercado.

Afinal de contas, apenas observando todas essas variáveis que se torna possível compreender e precificar um veículo, diferindo e muito da média básica de valores de venda calculado pela tabela Fipe de automóveis.

Os carros que menos desvalorizam

Honda HR-V, desvalorização de 4,5%

Como já citamos, trata-se de um absoluto sucesso de vendas que conquistou o consumidor brasileiro pelo conforto embarcado e desenho arrojado. Aqui, contribuem para a baixa desvalorização: a montadora Honda, a carroceria SUV, o momento do mercado e os itens de conveniência.

Jeep Renegade, desvalorização de 6,4%

Outro sucesso consagrado de vendas, que conquistou o consumidor pelos mesmos motivos do anterior, embora possua um porte e proposta mais esportivo, conquistando o público mais jovem. Aqui, contribuem para a baixa desvalorização: a carroceria SUV, o momento do mercado, o status de importação da montadora Jeep e os itens de conveniência.

Chevrolet Onix, desvalorização de 8,3%

Sucesso de vendas enquanto o modelo popular mais conhecido e vendido do Brasil. Sua ampla popularidade, como um carro de entrada, com baixo custo de manutenção, contribuem para essa desvalorização.

Land Rover Discovery Sport, desvalorização de 9,3%

Aqui, estamos em outro mundo, pois não se trata de um sucesso de vendas, mas de um absoluto suprassumo do mercado de veículos de luxo. Contribuem para a baixa desvalorização: a carroceria SUV, o fator luxo corroborado pela montadora Land Rover e a taxa flutuante do câmbio, por ser um veículo importado.

Volkswagen up!, desvalorização de 9,4%

O compacto da VW repete a fórmula do sucesso do Ônix a sua própria maneira. Compacto, seguro, potente, tecnológico e em relação à categoria, refinado, acabou conquistando as garagens e corações de muitos consumidores. Contribuem para a desvalorização baixa, o fato da montadora ser da VW e a popularidade do modelo.

Os carros que mais desvalorizam

Citroën C3 Picasso, desvalorização de 22,2%

Aqui começam as desvalorizações violentas. As marcas francesas definitivamente entraram no Brasil com o pé esquerdo, apesar de oferecerem bons modelos, nunca encontraram um bom acerto para os asfaltos lunares do país, com veículos apresentando problemas de suspensão com certa frequência. Para além disso, reforça a má fama, o serviço de pós-venda desqualificado e pouco presente nas cidades brasileiras.

Chery Tiggo, desvalorização de 21,9%

O Tiggo é azarado por sua condição de novato no mercado. A Chery, assim como Lifan e JAC, são marcas chinesas que começaram a desembarcar no mercado nacional, ainda sujeitas ao preconceito do desconhecimento do consumidor brasileiro. Apenas o tempo e a qualidade dos próximos lançamentos poderão gerar aproximação entre o consumidor e as marcas, assim como um dia aconteceu com Toyota e Honda, e Hyundai e Kia.

Jac J3 Turin, desvalorização de 21,1%

Novamente, repete a cesta de motivos que acomete os modelos chineses, recentes no mercado nacional.

Depreciação de carro: tabela Fipe versus valor de mercado

Tratar a Fipe como uma tabela de desvalorização de carros pode acabar sendo o maior erro de quem quiser negociar um carro. Como dito antes, a tabela Fipe no Brasil não considera vários quesitos se tratando de depreciação de carro: quilometragem, situação de mercado e estado de conservação são apenas alguns deles. Portanto, é fundamental saber como consultar a tabela Fipe corretamente.

Inclusive, um carro que esteja com a carroceria inteira, mecânica boa e com o histórico de revisões perfeito pode acabar tendo um valor no mercado maior do que o presente na tabela Fipe.

Nessas situações, o proprietário pode acabar perdendo dinheiro se decidir executar a venda pelo valor da tabela. Pensando em um caso de caráter oposto, também não faz sentido cobrar o valor da Fipe por um carro amassado, endividado e que não foram feitas as revisões. Por mais que, na tabela esteja um certo valor para esse modelo, nesse caso, o carro não chegaria nem perto do montante da tabela Fipe.

Portanto, para determinar o valor de um veículo, tanto para compra quanto para venda, o mais sensato e justo é avaliar completamente todos os quesitos que poderiam desvalorizá-lo, a fim de colocar um preço correto — reitera-se: o valor final pode acabar sendo tanto menor quanto também maior do que o da tabela Fipe de carros.

Para além de todos esses critérios, perguntamos: você quer vender o seu atual carro por que a depreciação dele é acima do desejado? A Instacarro compra o seu veículo em até 90 minutos, sem fazer você passar por nenhuma dor de cabeça. Entre no site para receber uma cotação grátis do seu carro!

Conta pra gente, você curtiu este megapost esmiuçando e os porquês dos carros que mais desvalorizam em detrimento dos carros que menos desvalorizam? Então, agora que já entendeu melhor sobre esta tabela de preços de carros, aproveite o seu interesse no tema, assim como a sua visita em nosso blog para ler agora mesmo o post Saiba como fazer o cálculo de depreciação do seu veículo, posicionando o seu modelo com coerência no mercado!

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *