Um clássico da preparação: a história do motor 2JZ
Motor Toyota 2JZ-GTE

Um clássico da preparação: a história do motor 2JZ

Motor 2JZ fez sucesso no esportivo Toyota Supra dos anos 1990 e é conhecido pela sua robustez e por aceitar diversas receitas de preparação.

Texto: Evandro Enoshita

cta blog venda seu carro

Fotos: Divulgação

Quando se fala no mercado internacional de preparação de motores, principalmente nos Estados Unidos, um propulsor que tem uma fama tão grande quanto o Volkswagen AP no Brasil é o motor 2JZ da Toyota, que acaba sendo a escolha padrão de muitas oficinas para tunar modelos da marca e também carros de outros fabricantes japoneses, graças à robustez combinada à capacidade de obter bons números de potência, com projetos chegando a 2.000 cv com pequenas modificações.

O motor 2JZ foi lançado em 1991 no sedã Aristo, um três volumes esportivo exclusivo para o mercado japonês que chegaria ao exterior como o Lexus GS 300. Com bloco de ferro e cabeçote de alumínio, foi desenvolvido para ter um funcionamento suave e confiável principalmente em altas rotações.

O propulsor era parte da família “JZ”, que substituiu o motor “M” criado pela marca nos anos 1960. Das últimas versões do antecessor, o novo 2JZ seguia o layout de seis cilindros em linha, com cabeçote de quatro válvulas por cilindro e duplo comando. Mas incorporava modificações como a injeção eletrônica sequencial e a compatibilidade com acelerador eletrônico. A sua versão base era um 3.0 aspirado de 230 cv (2JZ-GE). Mas o principal destaque era a variação biturbo de fábrica, chamada de 2JZ-GTE. Um dos turbocompressores era usado para melhorar a potência em baixas rotações, com o segundo turbo entrando em ação apenas a partir de 4.000 rpm para incrementar a potência em alta. O resultado era uma potência que saltava dos 230 para 280 cv.

Motor Toyota 2JZ-GTE

Com componentes superdimensionados, os dois 2JZ compartilhavam o mesmo bloco, além de componentes internos como virabrequim e bielas. As diferenças principais no motor 2JZ-GTE estavam nos pistões de alumínio com novo desenho e refrigeração por jatos de óleo, além de um cabeçote redesenhado. Esses dois motores foram escolhidos dois anos depois do lançamento do Aristo para equipar a 4ª geração do cupê esportivo Supra, modelo que é um dos responsáveis por espalhar no ocidente a fama dos 2JZ.

Embora no mercado japonês a Toyota tenha mantido a potência dos dois motores inalterada em relação aos utilizados no Aristo — por conta de um acordo de cavalheiros entre os fabricantes do Japão que na época limitava a potência máxima dos carros em 280 cv — nas versões de exportação do Supra a marca estava livre das amarras e apostava em uma receita mais apimentada para o 2JZ-GTE, que além de novos turbos incluía a troca de componentes como os bicos injetores e até os comandos de válvula, para despejar 324 cv.

Inicialmente sem comando variável, o motor 2JZ passou a incorporar em 1997 o variador de fase VVT-i. Na variação GE, veio acompanhado também do aumento da taxa de compressão de 10.0:1 para 10.5:1. O resultado foi a melhora no rendimento em baixas rotações, o que é visto na alteração na curva de torque, que passou de 29 kgfm a 4.800 rpm para 31 kgfm a 4.000 rpm. Resultado parecido com o obtido pelo 2JZ na variação GTE, onde o variador de fase resultou em um aumento do torque máximo de 45 para 46 kgfm. 

O motor 2JZ seguiu sendo utilizado pelo Toyota Supra até 2002, quando a 4ª geração do esportivo deixou de ser produzida por conta das novas normas de emissões do país asiático. Para a 5ª geração, que chegou ao mercado internacional em 2019, a Toyota optou por não desenvolver um propulsor novo para o modelo, escolhendo em seu lugar os motores de quatro e seis cilindros em linha da BMW.

Mesmo com o fim do Supra, o 2JZ seguiu vivo no mercado japonês até 2007, mas com modificações para se adequar às normas de emissões mais restritivas. Foi assim que surgiu a variação 2JZ-FSE. Baseada no GE com o variador de fase VVT-i, apostava em um taxa de compressão elevada de 10.5:1 para 11.3:1 e na troca do sistema de injeção convencional sequencial por um sistema de injeção direta de combustível.

Mas o objetivo dessas mudanças não era ganhar potência, mas compensar as perdas geradas pelos novos limites de poluentes. Com isso, o 2JZ terminou a sua vida atingindo 220 cv, a mesma das versões mais mansas do GE para o Japão. Foi empregado nos sedãs de luxo Progres, Brevis e Crown, todos carros vendidos apenas no mercado japonês.

Origens

Embora o motor 2JZ tenha sido um dos últimos seis em linha produzidos pela Toyota, a marca japonesa tem uma longa história com motores nesta configuração de cilindros. Usado no AA, o primeiro modelo de carro desenvolvido pela empresa, o motor Type A lançado em 1935 era uma cópia do Chevrolet Stovebold 207 da época.

Em 1938, a Toyota iniciou a produção do Type B, que era esse mesmo motor de seis cilindros da Chevrolet, mas produzido sob licença e que incorporava algumas modificações para adequar a mudança do padrão imperial para o métrico e as últimas atualizações desenvolvidas para este propulsor pelo fabricante americano.

No pós-Segunda Guerra, esse o Type B ganhou melhorias e a cilindrada aumentada de 3.4 para 3.9, se tornando o Type F. Bloco que foi utilizado nas primeiras unidades do 4×4 Land Cruiser montadas no Brasil e seria empregado nos veículos comerciais da marca até o início dos anos 1990.

Antecessor do JZ, o motor M foi lançado em 1965 e foi o primeiro seis cilindros desenvolvido inteiramente pela marca japonesa, marcando o retorno desta opção de motorização nos carros de passeio da Toyota desde o final dos anos 1940.

Posts relacionados

Tesla Model Y é o carro mais vendido do mundo, veja o ranking

Tesla Model Y é o carro mais vendido do mundo, veja o ranking

Em levantamento em mais de 115 países, Tesla Model Y desbanca Corolla e se torna carro mais vendido do mundo,…
Carros que parecem ter sido feitos no Minecraft

Carros que parecem ter sido feitos no Minecraft

Conheça alguns modelos de carros que parecem ter saído do Minecraft, um dos jogos de videogame mais famosos do mundo…
Fiat Grand Panda: modelo antecipa o sucessor do Argo no Brasil

Fiat Grand Panda: modelo antecipa o sucessor do Argo no Brasil

Fiat revela o Grand Panda, o sucessor dos modelos Argo e Mobi, inspirado no Citroën C3 A Fiat prepara um…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *