Motor CHT: um projeto Renault que fez sucesso nos Ford
Motor CHT 1140x674

Motor CHT: um projeto Renault que fez sucesso nos Ford

Última evolução de um projeto originário da marca francesa, o motor CHT seguiu vivo até os anos 1990 no mercado brasileiro

Entre os anos 1970 e 1990, o mercado brasileiro foi o lar de vários projetos de carros que só existiram por aqui, numa lista com modelos como o esportivo Volkswagen SP2 e o Ford Corcel.

cta blog venda seu carro

Mas essa relação de “jabuticabas”, nome da fruta que é usado como uma expressão para definir produtos tipicamente brasileiros, não se limita apenas aos automóveis prontos.

Um exemplo disso é o motor CHT. Propulsor que equipou todos os modelos de passeio da Ford nos anos 1980 e seguiu em uso até meados dos anos 1990.

Origem

motor cht ford corcel

O CHT era uma evolução do propulsor Renault Sierra (também conhecido como Cléon-Fonte), lançado nos anos 1960 na França.

A Ford do Brasil recebeu esse projeto com a aquisição da Willys Overland e do “Projeto M”. Derivado do Renault 12, o modelo chegou ao mercado em 1968 como o Corcel.

Em variações 1.3, 1.4 e 1.6, esse motor Renault equipou apenas a linha Corcel até 1981, quando chegou também ao Del Rey.

Motor CHT

motor cht ford escort

Em 1983, o motor Renault foi atualizado pela engenharia local da Ford. O objetivo era adequar o propulsor para equipar no Brasil o Escort de 3ª geração.

Como resultado dessas mudanças, o motor ganhou o nome CHT, do inglês “Compound High Turbulence”. Redesenhadas, as câmaras de combustão promoviam o turbilhonamento da mistura para melhorar o consumo de combustível.

O novo motor CHT era elogiado pela suavidade no funcionamento e pelo bom rendimento em baixas rotações. Mas mesmo atualizado, esse era um conjunto de características conservadoras já para a época.

Preservava, por exemplo, o comando de válvulas no bloco e corrente metálica. O contemporâneo EA 827 da Volkswagen (o conhecido motor AP) já trazia comando no cabeçote e correia dentada.

A consequência disso eram os baixos números de potência do CHT mesmo na variação destinada ao esportivo Escort XR3. O 1.6 a etanol com comando mais bravo desenvolvia 81,7 cv.

Inicialmente disponível em variações 1.3 e 1.6, o CHT tomou o lugar do Renault Sierra no restante dos carros de passeio vendidos pela Ford do Brasil.

Em 1987, com o lançamento do Escort de 4ª geração, o propulsor passou por uma nova atualização e passou a ser o CHT E-Max. O objetivo era melhorar ainda mais o consumo de combustível e a entrega de torque.

Na ocasião, 1.6 a etanol destinado ao Escort XR3 chegou a 86,1 cv. Marca mais alta atingida pelo CHT.

Naquele mesmo ano de 1987, com a formação da Autolatina (joint venture entre a Ford e a Volkswagen na América Latina), o propulsor da Ford foi parar também nos modelos da marca alemã.

Com melhorias e o nome de AE-1600, passou a equipar as versões de entrada de Gol, Voyage Parati e Saveiro.

CHT 1.0 e motor AE

motor cht volkswagen gol 1000

Em 1990, a mudança na legislação que abriu caminho para os carros com motor de menos de 1.000 cm³ fez a Autolatina mexer mais uma vez no CHT. Agora numa variação 1.0 a gasolina de 50 cv e o nome AE-1000, chegou ao Volkswagen Gol 1000 e ao Ford Escort Hobby.

Esse mesmo propulsor, equipado com injeção eletrônica monoponto, chegou ao Volkswagen Gol de 2ª geração, último carro a abandonar o CHT, no início de 1997.

Com o fim da Autolatina, o motor CHT nos Volkswagen cedeu espaço aos motores AP (EA 827) e EA 111 (o motor AT). Nos Ford, o CHT deu lugar ao Endura-E e ao moderno Zetec-SE de 16V.

CHT francês

motor cht renault maxi 5 turbo

O motor Renault Sierra evoluiu também na Europa. Com novidades como as câmaras de combustão hemisféricas, teve por lá uma vida mais longa do que o CHT no Brasil.

Lançado na França em 1962, fez sua estreia no cupê e no conversível Renault Floride. Era um 1.0, lançado com o objetivo de substituir o propulsor Billancourt, usado em modelos como o Dauphine e Gordini.

Pouco tempo depois, chegou em toda a linha de carros de passeio da marca francesa, incluindo no esportivo Alpine A110, que fez sucesso em competições nos anos 1960.

A partir dos anos 1970, a marca francesa cogitou trocar o Sierra por um propulsor mais atualizado. Mas, a robustez, baixo custo de produção e aceitação por parte dos consumidores fizeram a Renault manter o Sierra em linha.

motor-cht-renault-maxi-5-turbo-3

Nos anos 1980, o Sierra teve inclusive uma variação 1.5 turbo com injeção eletrônica, que equipava o modelo Renault Maxi 5 Turbo de rali e desenvolvia impressionantes 385 cv.

Mesmo com o uso de tecnologias como o catalisador e a injeção eletrônica, o “CHT europeu” começou a ser abandonado na linha francesa da Renault nos anos 1990, substituído pelo novo propulsor “Energy”. O último modelo equipado com o Sierra foi o hatch Twingo, em 1996.

Outros mercados

motor cht dacia 1310

Depois do fim no Brasil e na França, o Sierra seguiu em produção em países da América do Sul (Argentina e Colômbia), Turquia e Romênia, em variações 1.6 exclusivas.

O último desses propulsores deixou de ser fabricado na Romênia em 2004, quando saiu de linha o último Dacia 1310, como era conhecido o Renault 12 produzido no país da Europa Oriental.

Posts relacionados

Carros que parecem ter sido feitos no Minecraft

Carros que parecem ter sido feitos no Minecraft

Conheça alguns modelos de carros que parecem ter saído do Minecraft, um dos jogos de videogame mais famosos do mundo…
Fiat Grand Panda: modelo antecipa o sucessor do Argo no Brasil

Fiat Grand Panda: modelo antecipa o sucessor do Argo no Brasil

Fiat revela o Grand Panda, o sucessor dos modelos Argo e Mobi, inspirado no Citroën C3 A Fiat prepara um…
GWM Haval H6 PHEV19 chega ao Brasil por R$ 229 mil

GWM Haval H6 PHEV19 chega ao Brasil por R$ 229 mil

 O novo SUV GWM Haval H6 chega ao mercado com preço promocional e a autonomia puramente eletrica revelada: 74 km A…

One Comment

  1. Hélio Agner Kirlly Junior

    Este foi, sem dúvidas, um motor que levou muitos brasileiros a realizarem o sonho de ter um carro com bom custo – beneficio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *