Ford Maverick Hybrid faz 17 km/l, anda bem, mas vale a pena?
Ford Maverick Hybrid

Ford Maverick Hybrid faz 17 km/l, anda bem, mas vale a pena?

Ford Maverick Hybrid é a única picape nessa configuração no mercado brasileiro e aposta na tecnologia eletrificada para conquistar novos clientes

Em um mercado recheado de SUVs, sedãs e hatches eletrificados, ser diferente pode ser bom e, ao mesmo tempo, ruim. Esse é dilema vivido pela Ford com a Maverick Hybrid, única picape híbrida vendida no Brasil.

cta blog venda seu carro

Com preço de R$ 234.890, a Ford Maverick Hybrid custa exatamente R$ 10 mil a mais que a versão a combustão, a Ford Maverick Lariat FX4. A seu favor estão o melhor consumo de combustível, autonomia elevadas e alguns benefícios inerentes aos carros híbridos, como o IPVA reduzido e isenção de rodízio veicular (no caso dos modelos que rodam em SP).

Porém, pesam contra ela a dirigibilidade, conforto de rodagem e o preço que irá subir em breve. Com o término da isenção da taxa de importação de veículos eletrificados no Brasil e como um veículo híbrido simples, já em janeiro de 2024, deverá ter acréscimo de 12% no valor e, em julho, de 25%.

Mas vale lembrar que as marcas contarão com cotas de veículos importados eletrificados sem que haja a cobrança destas taxas. Cobrança só sobre o que excedê-las.

Com tudo isso posto, será que vale a pena comprar a única picape híbrida do mercado? Te conto mais detalhes no vídeo da avaliação e nas próximas linhas.

melhores suv venda comprar

Visual e acabamento da Ford Maverick híbrida

Visualmente falando, a Maverick Hybrid pouca muda em relação à versão a combustão. Na dianteira, por exemplo, saem os ganchos de reboque, mas permanecem a grade dinâmica e os enormes faróis em LED.

Ford Maverick Hybrid

De lado, as rodas são maiores, com 18 polegadas. Além disso, o tipo de pneus muda: como a Maverick Hybrid tem foco na eficiência de combustível, adota pneus 225/60 com menor resistência à rolagem e banda de rodagem preparada para o uso exclusivo em asfalto.

Lateral da Ford Maverick Hybrid

Atrás, a única diferença é a presença do emblema “Hybrid” na parte inferior esquerda da tampa. O volume e a capacidade de carga da caçamba também permanecem os mesmos: 938 litros e 654 kg, respectivamente.

Traseira da Ford Maverick Hybrid

Por dentro, a picape também permanece estritamente a mesma. O acabamento é todo em plástico e diversas texturas (e cores), mas com visual futurista. Já o painel de instrumentos traz um novo mostrador analógico que indica quando cada motor está operando e o quanto de regeneração está ocorrendo a cada momento.

Interior da Ford Maverick Hybrid

Os bancos são revestidos em couro em dois tons, marrom e azul-escuro, e oferecem bom apoio lombar e para as pernas. Ponto negativo que somente o do motorista tem regulagem elétrica.

Do ponto de vista da conectividade, a picape pode ser toda comandada pelo aplicativo Ford Pass, onde pode ter partida remota agendada, ar condicionado programado para ligar e até sistema de localização do veículo.

Já a central multimídia desperta sentimentos diversos. Se tem boa resolução e é eficiente em seu funcionamento, é pequena, com somente 8 polegadas e espelha celulares Android e Apple somente por fio. Já o sistema de som é bom, com 8 alto-falantes.

Central multimídia da Ford Maverick Hybrid

Para quem segue no banco traseiro a viagem também é tranquila, com espaço bom para as pernas e para a cabeça.

Banco traseiro da Ford Maverick Hybrid

Motorização da Ford Maverick Hybrid

Debaixo do enorme capô, a Ford Maverick Hybrid traz o motor 2.5 Duratec do ciclo Atkinson, que gera 165 cv e 21,4 kgfm. Acoplado a ele está um elétrico de 128 cv e 23,9 kgfm e, quando combinados, geram 194 cv e 28,5 kgfm. A tração é somente dianteira.

Motor da Ford Maverick Hybrid

É bem menos do que os 253 cv e 38,7 kgfm da versão à combustão, mas o torque imediato do motor elétrico faz com que desempenho não seja um problema para a picape.

Ela acelera bem em saídas de semáforo, em subidas íngremes ou ultrapassagens. O problema, para mim, é que a dinâmica de condução mudou bastante. Na FX4 a tração é integral e a suspensão traseira é independente, conferindo à Maverick um comportamento quase de sedã esportivo.

Já na versão híbrida a tração dianteira, o eixo traseiro rígido e os pneus mais duros tornam essa experiência menos prazerosa. É quase como dirigir uma picape média. Passar em ruas esburacadas fará você chacoalhar no interior mais do que gostaria e, em velocidade, precisará ser mais modesto em curvas de alta.

A parte boa é que os modos de condução permaneceram, portanto, você ainda pode escolher entre Eco, Normal, Rebocar/Transportar, Escorregadio e Sport.

Console central da Ford Maverick Hybrid

Neste último, por sinal, a picape acelera muito e é capaz de fazer de 0 a 100 km/h em 8,7 segundos. Já no modo Eco, o consumo fica na casa dos 17 km/l na cidade, 13,5 km/l na estrada, com autonomia urbana chegando na casa dos 900 km.

Outro ponto sobre a dirigibilidade que é digno de menção é o sistema de freios regenerativos. Responsáveis por recuperar energia para a bateria de 1,1 kWh, além do recarregamento pelo próprio motor à combustão, eles são extremamente sensíveis “na pisada” e exigem um certo período de adaptação.

Itens de série da Ford Maverick Hybrid Lariat

Entre os itens de série, a Ford Maverick Hybrid traz:

  • Painel com tela digital de 6,5 polegadas;
  • Multimídia SYNC com tela de 8 polegadas com Apple CarPlay e Android Auto;
  • Chave com sensor de presença;
  • Botão de partida;
  • Abertura da porta por teclado;
  • Alarme com imobilizador;
  • Ar-condicionado digital dual-zone;
  • 7 airbags;
  • Assistente de frenagem com detecção de pedestres e ciclistas;
  • Controle eletrônico de estabilidade e tração;
  • Controle de reboque;
  • Faróis de LED com acendimento e luz alta automáticos;
  • Câmera de ré;
  • Assistente de partida em rampa;
  • Assistente de frenagem pós-colisão;
  • Monitoramento de pressão dos pneus.

Vale a pena comprar a Maverick híbrida?

Exceto se você precise de um grande espaço para carregar suas coisas, a Ford Maverick Hybrid não é a melhor opção de veículo híbrido em sua faixa de preço.

Rivalizando com os recém-chegados chineses Haval H6 HEV e BYD Song Plus, é menos equipada que os rivais e é menos autônoma.

Não traz itens importantes como piloto automático adaptativo, alerta de ponto cego, assistente de saída de faixa e nem mesmo sensores de estacionamento dianteiro e traseiro.

Com produto, eu escolheria a versão FX4 Lariat, mesmo com o prejuízo do maior consumo, pois teria uma dinâmica de condução refinada e a esportividade que a Maverick Hybrid não consegue oferecer.

Ficha técnica do Ford Maverick Hybrid

Motorquatro cilindros em linha 2.5, 16V, aspirado + elétrico
Cilindrada2.485 cm³
Combustívelgasolina
Potência165 cv a 5.600 rpm
Torque21,4 kgfm a 4.000 rpm
Potência do motor elétrico128 cv
Torque do motor elétrico23,9 kgfm
Potência combinada194 cv
Torque combinado28,5 kgfm
CâmbioCVT de 1 marcha
Direçãoeletroassistida
SuspensõesMcPherson (dianteira) e eixo de torção (traseira)
Freiosdiscos ventilados (dianteira) e discos sólidos (traseira)
TraçãoDianteira
Dimensões5.073 mm (comprimento), 1.844 mm (largura), 1.733 mm (altura)
Entre-eixos3.076 mm
Pneus225/60 R18
Caçamba938 litros / 659 kg de carga útil
Tanque57 litros
0-100 km/h8s7
Vel. máxima175 km/h
Consumo cidade (Inmetro)15,7 km/l
Consumo estrada (Inmetro)13,6 km/l
Autonomia urbana895 km
Autonomia rodoviária775 km

Galeria de Fotos do Ford Maverick Hybrid

Posts relacionados

Fiat Grand Panda: modelo antecipa o sucessor do Argo no Brasil

Fiat Grand Panda: modelo antecipa o sucessor do Argo no Brasil

Fiat revela o Grand Panda, o sucessor dos modelos Argo e Mobi, inspirado no Citroën C3 A Fiat prepara um…
GWM Haval H6 PHEV19 chega ao Brasil por R$ 229 mil

GWM Haval H6 PHEV19 chega ao Brasil por R$ 229 mil

 O novo SUV GWM Haval H6 chega ao mercado com preço promocional e a autonomia puramente eletrica revelada: 74 km A…
São Paulo irá receber a abertura da nova temporada da Fórmula E

São Paulo irá receber a abertura da nova temporada da Fórmula E

A capital paulista será palco do E-Prix da abertura da temporada 11 da Fórmula E, categoria de elétricos, em 7…

One Comment

  1. Ezequiel Barbosa

    O fato da camionete, ser híbrida, é o que a torna interessante, aliado ao consumo e autonomia, que tem o mesmo limite da Haval h6, que também, é híbrido, mas como sou apreciador de pickup, declino em favor desta última, devido ao espírito urbano, e versatilidade da caçamba, que me agrada muito, e outros parâmetros visto nos suvs chineses, no momento, não seria depreciativo na Ford, por ter outro tipo de público, do qual, faço parte, os aventureiros.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *