Abastecer até a boca pode trazer problemas?
posto de gasolina verde abastecer ate a boca

Abastecer até a boca pode trazer problemas?

Achar combustível com bom preço pode gerar a pergunta: posso abastecer até a boca? Saiba essa resposta aqui.

Com certeza você já ouviu a frase: “para no automático ou pode completar, chefia?” vinda de um frentista. Na maioria das vezes, decidir se a resposta vai ser sim ou não vai depender de quanto você pode gastar naquele momento. 

cta blog venda seu carro

Porém, se escolher abastecer até a boca, saiba que essa atitude pode prejudicar a manutenção do carro, mas também causar malefícios ao funcionário do posto e até ao meio-ambiente.

Até a década de 90 essa prática, na verdade, era inofensiva, por isso se tornou tão popular. Isso porque os carros fabricados antes desse período não contavam com o cânister. Mas, as coisas mudaram com o avanço da tecnologia automotiva

O que é o cânister? 

De uma maneira bem simples, o cânister é um filtro que absorve os gases que saem do tanque de combustível e reduzem sua nocividade. A função é similar a do catalisador, que é encontrado no escapamento.

Quando você abastecer até a boca, ou seja, toda vez que o frentista não para ao ouvir o primeiro “clique” da bomba (o famoso automático), o excesso de combustível entra em contato com o cânister. Então, é aí que começa a dor de cabeça. 

O gás do tanque é tratado em um filtro de carvão ativado. Quando você enche até a boca, em vez de gerar vapor, passa a reter o líquido do combustível. Isso acaba danificando o cânister e, por consequência, gerando necessidade de manutenção. 

Basicamente, o cânister é preparado para fazer o tratamento do sistema de vapor e não de líquido. A linha toda, incluindo a válvula e o reservatório do cânister, fica comprometida quando o combustível ultrapassa o limite do automático. 

Nos dias quentes o problema piora, já que o aquecimento aumenta o volume do líquido, que vaza pela tampa do tanque e vai danificando também a pintura do carro.

Saúde dos frentistas

Além do problema com o sistema onde está o cânister, essa “passadinha do ponto” na hora de abastecer pode gerar problemas à saúde dos frentistas. Isso porque o vazamento de gás pode acabar fazendo com que o profissional fique exposto por um tempo prolongado ao benzeno, que é um gás considerado cancerígeno. 

Por conta disso, em alguns postos de combustível já há orientação, e até placas informativas, para que o frentista não avance após o automático, mesmo se o cliente pedir.

Aumento de consumo e outros problemas

Além de danificar a peça responsável pela filtragem dos gases nocivos e a saúde dos frentistas, rodar com o tanque acima da capacidade máxima compromete o consumo do veículo. 

E a causa é bem fácil de entender: quanto mais peso o carro tiver de carregar, mais combustível ele vai consumir para percorrer uma determinada distância. A cada 100 kg acrescentados ao veículo, o consumo aumenta cerca de 6%. Ou seja, a diferença mínima que ganhou na hora de abastecer não servirá para nada. 

Além do consumo, como o filtro é feito de carvão, o contato com gasolina, etanol ou diesel pode fazer com que partículas desse material se soltem e, na medida em que esse composto entra no tanque, pode comprometer o funcionamento do motor.

Nesse caso, o painel do veículo acusa o problema – normalmente a luz do sistema de injeção­, mas isso pode variar de acordo com a montadora. Dependendo do dano, o proprietário do automóvel terá que arcar com a troca do cânister, da válvula ou até do próprio tanque.

Meio ambiente

Com o cânister danificado, o carvão ativado perde sua função principal, que é a de filtrar os poluentes que são liberados durante o abastecimento. Isso acaba gerando o inverso, um aumento da poluição produzida pelos carros.

Rodar com pouco combustível também é ruim

Assim como a maioria das coisas, nem muito, nem pouco é a melhor solução. Se rodar com excesso de combustível no tanque pode acarretar danos ambientais, de saúde e no carro, circular na reserva gera outros tipos de prejuízo.

Além do risco de pane seca, que é uma infração sujeita a multa de trânsito, o consumo do veículo também é prejudicado. Com o tanque quase vazio, há mais espaço para a evaporação do combustível – elevando a taxa de desperdício.

Ainda há risco de queima da bomba de combustível, que precisa ficar integralmente submersa para garantir a sua refrigeração. Por último, existe, ainda, o risco de entupimento do filtro da bomba pelas impurezas de combustível depositadas no fundo do tanque.

Posts relacionados

Carros que parecem ter sido feitos no Minecraft

Carros que parecem ter sido feitos no Minecraft

Conheça alguns modelos de carros que parecem ter saído do Minecraft, um dos jogos de videogame mais famosos do mundo…
Fiat Grand Panda: modelo antecipa o sucessor do Argo no Brasil

Fiat Grand Panda: modelo antecipa o sucessor do Argo no Brasil

Fiat revela o Grand Panda, o sucessor dos modelos Argo e Mobi, inspirado no Citroën C3 A Fiat prepara um…
GWM Haval H6 PHEV19 chega ao Brasil por R$ 229 mil

GWM Haval H6 PHEV19 chega ao Brasil por R$ 229 mil

 O novo SUV GWM Haval H6 chega ao mercado com preço promocional e a autonomia puramente eletrica revelada: 74 km A…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *